24 de jan de 2008

Custo '0' para Pequenas Empresas ganharem com Créditos de Carbono

Matéria pouco conhecida por grande empresários, podem também beneficiar Pequenas Empresas.

Para gerar negócios e, principalmente, engajar novos participantes na luta pela conservação ambiental, instituições e entidades se esforçam no sentido de identificar fontes poluidoras com potencial de redução de emissão de gases de efeito estufa e, em muitos casos, que resultem em créditos de carbono. Esses créditos dão às empresas o direito de obter recursos no mercado a cada tonelada de poluente (dióxido de carbono) que deixam de emitir.

Para substituir uma fonte energética poluente por uma menos poluente ou limpa (renovável) e enquadrá-la nas normas do Protocolo de Quioto, podendo gerar os créditos de carbono (correspondentes a uma tonelada de dióxido de carbono ou o equivalente em outros gases) e ainda contribuir para evitar o aquecimento global, os candidatos precisam passar pela avaliação de uma consultoria especializada, para saber se o projeto atende as características de mecanismo de desenvolvimento limpo (MDL).

Como os procedimentos são caros, empresários que já tiveram contato com o assunto não se sentiram estimulados a desenvolver um projeto. Isso levou consultorias e instituições a mudar seus procedimentos e estabelecer uma espécie de parceria, pela qual, no final todos ganham.

O novo modelo de negócio, proposto pela consultoria Key Associados, prega a filosofia de ganhar com o empresário e não do empresário, afirma Marco Antonio Fujihara, consultor da instituição.

"O preço cobrado para elaborar um projeto de MDL varia de acordo com as possibilidades dele. Dependendo da certeza de seu sucesso, a consultoria compra o risco e realiza o projeto a custo zero, recebendo parte dos créditos de carbono", comercializados quando o projeto já estiver aprovado e implementado.

Alternativa a empresários que não dispõem do capital inicial para financiar o trabalho da consultoria, a proposta da Key Associados destina-se a grandes projetos de MDL, que proponham redução superior a um milhão de toneladas de CO2 equivalente por ano.

O que não implica, necessariamente, que o provedor tenha de ser uma grande empresa. "Há muitas pequenas empresas com ótimos projetos e muitas grandes empresas com projetos muito ruins", conta Fujihara.

Se o projeto for bom, o lucro obtido futuramente cobre o que seria pago para a sua elaboração e ainda rende ao empresário. O risco comprado pela consultoria é garantido por hegde, que assegura o pagamento de um valor mínimo aos créditos de carbono a serem comercializados, assim evitando prejuízo.

Nenhum comentário:

:: Talento Ambiental / Environment Talent